O diário

Publicado: 14 de outubro de 2011 por Blue em Diversos

Texto de Evelise Pascuotti – 7°série

Eu sempre me conservava afastada das colegas e me negava a participação de qualquer atividade do grupo. Não tinha amigas na escola e minhas notas não eram satisfatórias.

Todos me consideravam arrogante e egoísta.

A verdade era que eu não tinha nenhuma defesa contra a terrível solidão que me acompanhava desde o meu nascimento.

Não era arrogância, era uma timidez que vinha da alma. Nas aulas sabia a resposta para as perguntas que as professoras faziam, mas não tinha coragem de responder para não chamar a atenção sobre mim.

Caminhava pela vida retraída e calada, sem dar atenção a ninguém, talvez fosse assim por não receber amor de papai, que me culpava pela morte de mamãe ao me dar a luz.

Logo após meu nascimento, fui entregue a uma babá, a primeira de uma longa série de babás. Durante minha infância pouco vi meu pai, que era para mim um estranho.

Tudo começou a mudar no dia em que fui conhecer a casa que meus avós tinham me deixado como herança.

Lá, remexendo nos velhos baús, encontrei o diário de vovó.

Curiosa, comecei a ler, e foi como se abrisse uma porta para outro mundo. O diário era muito antigo, algumas páginas estavam desbotadas, outras amareladas pelo tempo, mas as palavras que continham davam vida aos retratos que eu tantas vezes vira no álbum de mamãe e que até então não me diziam nada.

De uma maneira admirável e inesperada, foi minha avó quem me animou. Afinal de contas, éramos muito parecidas. Assim como eu, ela vivia isolada e não tinha ninguém com quem pudesse falar.

Foi nesse momento que comecei a identificar-me com ela, a sentir-me partícula dela. Experimentei um sentimento maravilhoso de participação, a sensação de descobrir minhas raízes, sabia quem era e de onde vinha. Aquele diário ficara incorporado a minha existência, pois a vida de vovó havia sido muito semelhante a minha, mas ao contrário de mim, ela havia lutado por seu lugar no mundo e conseguido superar as dificuldades que surgiam em seu caminho.

Nunca pude ter certeza do momento da transformação que se operara em mim. Aquele diário havia definitivamente influenciado a minha maneira de ser. Confiante, olhei-me no espelho e me vi muito diferente do que sempre fora. Pela primeira vez na vida, eu sentia plenamente que “EXISTIA”.

Deixar uma Resposta?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s